Lavoura de abobrinha livre de viroses é o sonho de todo o produtor

Lavoura de abobrinha livre de viroses é o sonho de todo o produtor

29 outubro de 2020

Cada semente híbrida lançada carrega anos de desenvolvimento em busca de maior produtividade, qualidade e padrão, além de pacotes de resistências que dão segurança ao agricultor.


Foi pensando nisso que a Agristar do Brasil lançou em 2018 a abobrinha Flora pela linha Topseed Premium. Ela é multivírus, com resistências a WMV (vírus do mosaico da melancia), PRSV-W (vírus da mancha anelar do mamoeiro) e ZYMV (vírus do mosaico amarelo da abobrinha).


A cultura da abobrinha tem a sua produtividade muito afetada pelas viroses, um problema recorrente em todos os polos produtores. Para ter uma lavoura com menos índices de plantas com vírus é importante tomar algumas medidas preventivas, que começam na escolha das sementes ou mudas de procedência comprovada, até o manejo.


Segundo o especialista em cucurbitáceas da Agristar do Brasil, Rafael Zamboni, além da defesa contra as viroses, a Flora agrega valor ao produtor ao apresentar características como haste única, arquitetura de planta aberta, que melhora o controle de pragas e doenças na aplicação de defensivos, vigor de planta acentuado e, entre os seus principais atributos, está o alto pegamento de frutos, com frutos sequenciais.


"Vale lembrar aos produtores que em uma pressão muito forte de vírus, os híbridos podem apresentar sintomas, uma vez que são resistentes e não imunes. Por isso, durante o cultivo, é preciso eliminar plantas com sintomas da doença, retirar plantas invasoras que possam ser hospedeiras do vírus, fazer o manejo fitossanitário adequado, eliminar restos culturais e fazer rotação de cultura. Estes cuidados, associados à utilização de materiais resistentes, ajudam a prevenir a entrada de viroses", ressalta Zamboni.


No Cinturão Verde de Brasília, a Flora tem mostrado que o seu pacote de resistências está surtindo o efeito esperado na lavoura. Em Ceilândia, o produtor Luciano de Jesus Silva, do Núcleo Rural de Boa Esperança, conta que já planta há dois anos e a atual roça está com 4 mil pés. "É uma abobrinha excelente, se cuidar da forma correta não pega virose nenhuma, nem doenças. Todos os dias fazemos a colheita e ela está sempre bonita, sem defeitos".


Em Planaltina, o produtor Francisco Daniel Cesar da Silva, do Núcleo Rural de Rio Preto, optou pela Flora porque ela produz mais e é fácil de trabalhar. "Fazendo os cuidados necessários, a produtividade é muito boa. Dá um produto bonito que quase não tem defeitos e é resistente a viroses". Na mesma região está Ademar Marcelino Pereira, do Núcleo Rural São José, que conta ter gostado muito da Flora pela sua resistência a doenças, principalmente. "Tenho plantado a variedade há mais ou menos cinco meses porque a produção é muito boa, com padrão e coloração bonitos, além de não pegar doenças".


Já no sexto plantio de Flora, o agricultor Admicio Braz de Abreu, de Brazlândia (DF), tem na roça atual 8 mil pés. "Não tenho do que reclamar, ela não dá virose, a qualidade é muito boa!", salienta. Na mesma cidade está o produtor Thiago de Oliveira Braz, que planta a variedade desde 2019 e no último semeio também cultivou 8 mil pés da variedade. Ele explica que optou pela Flora porque ela produz bastante. "O clareamento agrada o mercado e ela é muito resistente a viroses e pragas".


O assistente técnico de vendas Topseed Premium, Rafael Sales, atende a região e conta que a média de produção varia entre 150/200 caixas por mil pés. "Esse alto teto produtivo, no Distrito Federal, foi o que fez a Flora explodir em vendas no estado, aliado a uma resistência muito boa a viroses, a coloração com estrias verde-escuras, que tem uma aceitação excelente no mercado, longevidade de colheita - que chega a um mês e na época seca a dois meses". Ele completa ainda que a produção é vendida localmente para a Feira do Produtor de Ceilândia, o Ceasa e para as redes de supermercado da região.


São Paulo

Vale registrar que a Flora é um produto que vem se destacando em todo Brasil, veja também o depoimento do Rafael Nunes, de Capão Bonito (SP). Ele planta 30 mil pés mensais de abobrinha e conta que escolheu a Flora porque é a que tem a maior resistência a doenças e a adversidades climáticas. "Esse ano conseguimos passar o inverno, mesmo com duas geadas, colhendo abobrinha. Ela é muito produtiva, muito tolerante a doenças e tem uma qualidade muito boa de banca, bem aceita pelo mercado".

Produtos relacionados a notícia